STAN Craques da Copa: Son


Com a Copa chegando vamos dar uma olhada em como chegam para a competição alguns dos principais craques que estarão em campo no Qatar. Hoje vamos ver um dos maiores nomes do futebol coreano que promete mais uma vez ser um dos personagens da Copa. Ao longo dos próximos dias vamos trazer análises em detalhes de outros dos principais nomes de suas seleções como aquecimento e claro, durante a competição teremos as melhores análises e comentários.

Os números exclusivos da STAN nos permitem analisar a fundo a performance de jogadores e trazer estatísticas de verdade, com significado e capazes de medir em detalhes o quanto cada jogador contribui para gerar vitórias ao seu time. Por exemplo, vemos que ao longo do Campeonato Inglês, Son tem gerado em média 37% de probabilidade de vitória para seu time, ou seja, baseado em tudo o que ele fez em campo, vemos que se o resultado dependesse somente dele, o Tottenham teria tido em média 37% de chances de vencer seus jogos. Esse valor é o suficiente para fazer com que o jogador do Tottenham seja o 181° melhor jogador nesse quesito, algo inesperado especialmente depois de ter terminado a temporada passada na primeira posição da Premier League com 56%.

A Probabilidade de Vitória Gerada é muito interessante para avaliar o resultado final da atuação de um jogador, mas quando falamos em medir a performance individual de forma completa, existem mais fatores que devem ser levados em conta, como a relação com seus companheiros e com as táticas do time. Por exemplo, parte da Probabilidade de Vitória Gerada de um jogador ocorre porque seus companheiros jogaram bem (ou mal) ou porque o estilo de jogo da equipe favoreceu (ou atrapalhou) a performance de um jogador. Pensando nisso desenvolvemos o VAM (Vitórias Acima da Média), uma métrica que considera todos esses aspectos e nos mostra de fato quão bem um jogador esteve na partida por seus próprios méritos. Essa métrica nos diz o quanto um jogador foi melhor que a média ou, em outras palavras, o quanto as chances de vitória do time aumentaram porque era o Son que estava em campo ao invés de um jogador mediano qualquer da mesma função.

Ao longo do Campeonato Inglês, Son teve um VAM médio de 0%, 193° no ranking da competição, enquanto na Champions ocupa a 48° posição com um VAM de 49%. Quando olhamos apenas para os últimos jogos, vemos que ele está em uma boa fase, demonstrando crescimento nas últimas partidas. Ao que tudo indica, os números totais dele estão sendo influenciados por uma sequência de 3 jogos ruins algumas rodadas atrás, porém se olharmos as outras partidas seu desempenho tem sido muito bom, inclusive como vemos na Champions League, indicando que a princípio a seleção coreana não tem muito com o que se preocupar, porém deve torcer que essa fase ruim realmente tenha ficado para trás. Nas imagens podemos ver o desempenho do jogador do Tottenham ao longo das últimas partidas e também ver como a sua performance variou em diferentes situações. Para complementar a análise vamos olhar o VAE (Vitórias Além do Esperado), que é uma métrica muito parecida com o VAM, mas que ao invés de comparar o jogador com a média de sua posição, mede o aumento de probabilidade de vitória comparado ao que seria esperado para o contexto em que está inserido. No caso do Son vemos que no campeonato, em média ele ficou -7% abaixo do esperado, número ruim que normalmente indicaria que substitutos poderiam ter desempenhado melhor que ele, porém mais uma vez parece ser uma questão de momento, afinal já faz alguns anos que ele figura entre os melhores jogadores do campeonato inglês e não há razões para crer que será diferente dessa vez. Para referência, seu VAM temporada passada foi de +48% e seu VAE +40%, o colocando no top 10 do campeonato nos dois quesitos.

v



Além de diferentes tipos de partida, também é possível analisar a performance do ponto de vista tático. Na STAN usamos uma técnica totalmente baseada em dados para analisar o papel tático que os jogadores desempenham nas partidas. A partir do que foi feito durante a partida, os jogadores são agrupados baseados em similaridade de estilos de jogo, o que nos permite identificar qual papel ele desempenhou na partida. Na maior parte dos jogos, Son esteve na categoria Ponta Finalizador, ou seja, ele vem atuando como um Meia Lateral/Ponta ofensivo e incisivo, que busca o gol como um atacante central faria. No entanto é interessante notar que seu papel tático tem variado bastante ao longo da temporada, o que talvez possa ter a ver até com a inconsistência de resultados nos jogos até aqui.


Os números que vimos até aqui são interessantes porque eles conseguem considerar como um todo cada aspecto da performance de um jogador, mas também é interessante analisar separadamente algumas das métricas que participam da composição desses números agregados. A primeira delas mede a relação entre os jogadores e o quanto um indivíduo consegue melhorar a performance dos seus companheiros através do seu jeito de jogar (chamamos essa de MPC, Melhoria da Performance de Companheiros). Além dela temos três outras métricas principais que têm um funcionamento parecido, elas usam dados de tudo que um jogador fez em campo e calculam baseado nisso qual a probabilidade do time marcar gols, evitar sofrer gols e controlar o jogo, dessa forma medimos especificamente aspectos chave como performance ofensiva, defensiva e construção (chamamos as métricas de PGM, PGS e PCJ, ou seja Probabilidade de Gols Marcados, Probabilidade de Gols Sofridos e Probabilidade de Controlar o Jogo). Ao longo do Campeonato Inglês, a performance do Son nesses diferentes aspectos está descrita na imagem abaixo:



Esse início de temporada para o Son não tem sido muito fácil, principalmente pela inconsistência de resultados, alternando jogos ruins com excelentes. Resta ver qual versão dele veremos na Copa, porém se tivesse que apostar diria que teremos o craque que se mantém entre os melhores jogadores da Premier League já há alguns anos.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo